CPT - Centro de Produções Técnicas

O comportamento do câmbio será uma das principais variáveis para o Banco Central definir a intensidade do aperto monetário nos próximos meses. Em meio a tantas incertezas sobre a trajetória do câmbio no curto prazo, um ponto parece consenso entre analistas: o real deve continuar se depreciando em 2015. Diversas projeções de mercado têm apontado boas perspectivas para o leite a longo prazo. Recentemente um relatório da multinacional de embalagens Tetra Pak (responsável pelas caixas de leite longa vida) revelou que a demanda global por alimentos lácteos deve crescer 36% na próxima década, puxada pelo aumento da população mundial e, principalmente, pelo aumento do poder aquisitivo dos consumidores na Ásia, África e na América Latina. Outro estudo internacional, realizado pela FAO, órgão das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, avalia as tendências para lácteos até 2022, e aponta que a produção mundial de leite deverá crescer em todo planeta, sendo puxada, principalmente, pelos chamados “países em desenvolvimento”, onde o Brasil se inclui. Estes países deverão responder por 74% do aumento na produção, sendo que somente a Índia deverá responder por 29% da produção, superando a União Europeia, hoje maior produtora mundial. Entre 2013 e 2022 a produção deve subir 1,8% a cada ano, taxa inferior aos 2,3% observados na última década. Um dos mais importantes laboratórios de análise do país emitiu nesta semana um comunicado alertando o mercado para o nível elevado de contaminação por micotoxina (toxina produzida por fungos) encontrado em análises realizadas até agora no trigo que foi colhido no Rio Grande do Sul. O clima quente e úmido desde outubro no Estado criou um ambiente altamente propício à proliferação de fungos. Já há relatos de devolução de cargas de trigo gaúcho por compradores.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here