CPT - Centro de Produções Técnicas

A crise não reduziu o interesse de empresas europeias pelo setor brasileiro de lácteos. Depois da francesa Lactalis, que comprou ativos da LBR e da BRF no ano passado, agora é a vez da suíça Emmi, especializada em queijos e iogurtes. Um dos maiores grupos de lácteos da Suíça, com capital aberto na bolsa e receita líquida de 3,404 bilhões de francos suíços no ano passado (US$ 3,538 bilhões), a Emmi negocia, segundo fontes do setor, a aquisição do controle do laticínio paulista Shefa, que enfrenta dificuldades financeiras. A informação foi antecipada pelo Valor PRO, serviço em tempo real do Valor. A Shefa, que capta cerca de 300 mil litros de leite por dia, foi criada em 1976 e pertence à família De Benedictis. A empresa paulista, uma das mais tradicionais do Estado, tem unidade em uma fazenda em Amparo. Além de leite longa vida, a Shefa produz bebidas lácteas, à base de soja, creme de leite, chás, achocolatados e água de coco. A empresa também envasa leite longa vida para terceiros. Não é a primeira vez que a Emmi avalia ativos em lácteos no país. Em 2014, a suíça chegou a negociar com a própria Shefa e com a catarinense Tirol, mas nenhuma das conversas vingou, segundo fontes do setor. O grande atrativo do mercado brasileiro para as empresas europeias desse segmento é o potencial de crescimento da demanda por lácteos, conforme especialistas do setor. Na Europa, o mercado está praticamente consolidado e as oportunidades de avanço são mais limitadas. Um segmento atraente, com forte potencial de incremento a médio e longo prazos no Brasil é o de queijos. O consumo per capita no país hoje está na casa dos cinco quilos, muito abaixo dos cerca de 24 quilos de países como a França. Procurada, a Emmi afirmou, por meio de sua área de comunicação "não ter conhecimento" da negociação. A direção da Shefa não retornou os pedidos de entrevista. Ainda não estão claros quais os planos da Emmi no Brasil, já que a Shefa não produz iogurtes, mas a avaliação de fontes do setor é de que a empresa suíça tem planos mais ambiciosos para o país e não fará apenas uma aquisição. "A Emmi deve tomar o mesmo caminho que a Lactalis, que comprou a Balkis, depois os ativos da LBR e da BRF", disse uma das fontes. Em resposta a um questionamento sobre seu interesse no Brasil, em outubro do ano passado, a Emmi respondeu, por meio de sua assessoria de comunicação, que "considerando que os mercados europeus estão saturados, as atenções se voltam mais para mercados a desenvolver". Acrescentou que os países da América Latina são interessantes para a empresa, uma vez que a Emmi já tem operações no Chile e no México. "A opção principal será então reforçar as atividades nesses mercados e eventualmente entrar num mercado adicional, entre os quais o Brasil é uma opção", afirmou em nota, na ocasião. Do lado da Shefa, dificuldades financeiras teriam levado a família a buscar se desfazer da operação. Nos últimos anos, a empresa vem diminuindo a captação de leite, que já chegou a ser o dobro da atual. Outra questão que teria pesado são problemas de sucessão na empresa, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. A negociação com a Emmi envolveria a assunção de dívidas da Shefa pela empresa suíça. Em seu site, a Emmi informa que tem em seu portfólio uma variada linha de produtos lácteos, como queijos, iogurtes, sorvetes, creme de leite, petit suisse, café com leite industrializado, entre outros. Sua atuação está concentrada em mercados da Europa e da América do Norte, principalmente. Além do varejo, a Emmi fornece produtos para o food service e ingredientes lácteos para a indústria de alimentos. Considerando as vendas da empresa no último ano, cerca de 55% da receita da Emmi veio da divisão de negócios Suíça. A divisão de negócios América respondeu por 25 % das vendas e divisão Europa, por 15%. A origem da Emmi remonta ao ano de 1907, quando 62 cooperativas se uniram para criar a Federação Central de Lácteos da Suíça, em Lucerna. A federação se estabeleceu no cantão de Lucerna em 1919 comprando leite da cooperativa queijeira Neuhüsern, na cidade de Emmen. Em 1947, começaram a ser vendidos, pela primeira vez, queijos e iogurtes com a marca Emmi, numa referência à Emmen. Além da marca Emmi, estão no portfólio da empresa as marcas Caffe Latte, Gerber e Kaltbach. Com sede em Lucerna, a Emmi tem ainda o controle da espanhola Kaiku, participação majoritária na francesa Diprola, especialista no condicionamento e distribuição de queijos, e é acionista da italiana Venchiaredo, que produz queijos. Na Suíça, o grupo Emmi tem cerca de 25 unidades de produção, e no exterior, suas subsidiárias estão presentes em 13 países, informa a empresa em seu site. A companhia exporta para 60 países e emprega cerca de 5.200 pessoas no mundo.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here