CPT - Centro de Produções Técnicas

Após três anos, a miniusina de processamento de leite e derivados do distrito de Tibiriçá finalmente deverá sair do papel. Segundo a Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento (Sagra), o prédio será inaugurado até o final do ano, com capacidade para produção de 6 mil litros de leite por dia. A Associação dos Produtores Rurais Ouro Branco (Aprob), que será diretamente beneficiada com a iniciativa, ainda vê com descrença as chances de início da operação em 2014. Pelo que a reportagem pôde observar, o prédio ainda conta com infraestrutura mínima, mas, de acordo com o titular da Sagra, Chico Maia, falta muito pouco para que a usina se torne realidade. No início deste mês, a prefeitura abriu licitação para aquisição dos últimos equipamentos necessários, entre eles um aparelho analisador de leite por ultrassom, três mesas de inox e um dosador temporizador para potes e garrafas. O processo foi necessário porque a empresa que havia vencido a disputa entregou os produtos com as especificações erradas. Além destas peças, no entanto, a secretaria terá de pressionar a ganhadora de outra licitação, que, segundo Maia, vem adiando por diversas vezes o compromisso de entregar uma série de aparelhos que havia sido contratada para fornecer. Até o final de março, a lista incluía um pasteurizador, uma embaladeira, um banco de frio, um tanque para recepção de leite, uma iogurteira e um tacho para produção de doces. Na época, estavam guardadas no almoxarifado da prefeitura uma lavadora de alta pressão e duas balanças eletrônicas. Apenas uma câmara fria estava efetivamente pronta. De lá para cá, conforme a reportagem pôde constatar, poucos passos foram dados. <b>Operação</b> Mas o secretário explica que, assim que todos os equipamentos estiverem instalados, será possível acionar a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) para que técnicos realizem uma nova vistoria no local, a fim de emitirem a última licença que falta: a de operação. “Já obtivemos as licenças prévia e de instalação. Para conseguirmos a de operação, tudo tem de estar pronto. As instalações elétricas e hidráulicas do prédio já foram concluídas”, comenta. As licenças prévia e de instalação, contudo, só foram obtidas recentemente, já que até o início deste ano, a usina não possuía qualquer tipo de licenciamento ambiental para funcionar. Na ocasião, até mesmo a planta do prédio inexistia e demorou para ser confeccionada, já que o número insuficiente de profissionais da Secretaria Municipal de Planejamento (Seplan) não dava conta de atender a demanda com urgência. “Toda a parte documental e estrutural já está pronta. Só estamos aguardando estes últimos equipamentos e a licença de operação”, reitera o secretário, destacando que, “com toda certeza”, a usina começa a operar ainda neste ano. <b>Descrença</b> No Centro Rural de Tibiriçá, a área da miniusina pertence ao governo do Estado, com concessão de uso por tempo indeterminado pela Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento (Sagra). O prédio, preexistente, começou a ser reformado em 2011 para ser adaptado e poder abrigar a usina. Devido à demora de três anos para superar todos os entraves burocráticos para a conclusão da infraestrutura e documentação do estabelecimento, a Aprob assumiu posicionamento descrente diante da promessa de o local finalmente ser inaugurado. Para o presidente da entidade, Cynise Pereira, dificilmente o prédio poderá ser inaugurado neste ano. “O que a gente sabe é que poucos equipamentos já foram instalados. A usina é um desejo antigo para que os produtores possam comercializar leite da maneira correta e com preços mais competitivos. É uma promessa de muito tempo, que nunca saiu do papel”, reclama. <b>Benefício</b> Segundo o secretário Chico Maia, a miniusina irá beneficiar diretamente os pequenos produtores de leite de Tibiriçá vinculados à Aprob, que reivindica, há anos, a inauguração. Além de passar a contar com instalações apropriadas para pasteurizar o leite, eles também terão condições de fabricar e comercializar queijos, doce de leite e iogurte. “Se houver interesse dos produtores, no futuro, poderemos aumentar a capacidade da usina para processar outros tipos de derivados”, comenta o secretário. A intenção é de que parte da produção possa ser destinada à merenda escolar de escolas municipais e entidades assistenciais credenciadas pela prefeitura. A usina gerará cerca de seis empregos, já que será necessário contratar funcionários para operar as máquinas.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here