CPT - Centro de Produções Técnicas

O cooperativismo gaúcho registrou faturamento de R$ 28,2 bilhões em 2013, gerando R$ 1,5 bilhão de renda ao Estado, com expansão de 19,2% da arrecadação de impostos do setor. Dados do Sistema Ocergs-Sescoop/RS, divulgados ontem, em coletiva à imprensa, mostram que este desempenho está vinculado ao crescente aumento de ingressos em todos os ramos de cooperativas, que nos últimos cinco anos foi de 64,4%. Ao todo, o setor responde por 54 mil empregos diretos no Rio Grande do Sul e atende 2,8 millhões de sócios. Segundo o presidente da entidade, Vergilio Perius, o Sistema Ocergs-Sescoop/RS, a cada dia, soma cerca de 500 novos associados. De acordo com o dirigente, a expectativa é de que o número de ingressos continue evoluindo neste patamar nos próximos dez anos. Ele destaca que um dos atrativos do sistema de cooperação para profissionais vinculados às empresas do setor é o salário médio pago aos colaboradores, que supera em 26,2% o valor pago pelas companhias privadas. Comemorando o bom momento do sistema no Estado e lembrando que, há alguns anos atrás, as cooperativas viviam um cenário bem menos promissor, Perius destacou que 2013 foi excelente para todos os ramos do cooperativismo. O agronegócio foi o que obteve maior crescimento (18,17%) em relação a 2012, com faturamento de R$ 18,7 bilhões, puxado pelos setores de soja e de leite. De acordo com o presidente da Ocergs-Sescoop/RS, atualmente, 63% da produção do mercado de laticínios no Estado é suprido por cooperativas, que geram diariamente 16,3 milhões de litros de leite. Já o crédito faturou R$ 3,9 bilhões, tendo crescido 11,86% em 2013. Ambos os setores geraram R$ 882,2 milhões nas sobras antes das destinações, o que representa mais de 88% do volume total. “Nos últimos cinco anos, as cooperativas gaúchas triplicaram suas sobras”, ressaltou o dirigente da entidade. Também os ramos de infraestrutura e saúde apresentaram bom desempenho no faturamento do ano passado, somando R$ 4,72 bilhões. Juntos, os dois setores ainda geram 12,3 mil empregos diretos e contam com 470,2 mil associados. De acordo com os dados do Sistema Ocergs-Sescoop/RS, os ramos de agronegócio, crédito e saúde são os que reúnem maior número de cooperativas, correspondendo a 65% destas empresas no Estado. Na área da saúde, onde 57% dos usuários do Rio Grande do Sul estão nas mãos do cooperativismo, a entidade anunciou projetos de construção de três novos hospitais, um deles em Porto Alegre, próximo à Arena do Grêmio, com 300 leitos previstos, mas ainda aguardando licenças de órgãos públicos municipais e estaduais. “Sob o ponto de vista social, é eminentemente importante o processo do cooperativismo na área da saúde, em vista de que se liberam leitos para os pacientes do SUS”, considerou Perius ao lembrar que o Sistema Unimed já construiu, nos últimos anos, sete hospitais próprios e está presente nos 497 municípios do Estado. Outros desafios para os próximos anos, segundo o dirigente da Ocergs-Sescoop/RS, são ainda a integração dos setores de trigo, arroz e leite; a manutenção do crescimento no ramo de crédito; e a execução de projeto em conjunto com cinco principais cooperativas de trigo da região das Missões, para a construção de um moinho com capacidade de grande escala. Conforme o diretor-secretário da entidade, Paulo Cézar Pires, o equipamento – que exige um investimento de aproximadamente R$ 10 milhões – deve elevar a capacidade de esmagamento do cereal e permitir a produção de farinhas específicas, já com foco no atendimento de outros estados brasileiros. “Temos um problema sério de estrutura com a falta de moinhos no Rio Grande do Sul, onde, nas cooperativas, estes equipamentos ainda são artesanais”, justificou Pires.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here