CPT - Centro de Produções Técnicas

O presidente da Fetag, Elton Weber, participou ontem de audiência pública promovida pela Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo da Assembleia Legislativa para debater a situação dos produtores de leite do Estado, que estão sem receber há mais de dois meses de empresas como a LBR, Promilk, Pavlat, Hollmann e Monday. “O não-pagamento pelo produto entregue resulta em inadimplência junto ao comércio dos pequenos municípios, além de comprometer a capacidade de investimento e de giro para continuar na atividade. A receita com a venda do leite é, muitas vezes, a única fonte de renda das propriedades, utilizada para aquisição de alimentos e manutenção familiar”, justifica. Os encaminhamentos foram os seguintes para os produtores atingidos pelo não-pagamento dessas indústrias: – Encaminhar ao MDA dados e informações para verificação da necessidade de uma linha de crédito emergencial; – Revisar os futuros incentivos fiscais do governo com relação às novas instalações de empresas no Estado; – Verificar a situação das empresas que fizeram aquisição de ativos da LBR. Caso haja valores ainda a serem pagos, que estes possam ser direcionados para garantir o pagamento dos produtores credores desta indústria; – Produtores devem solicitar prorrogação das dívidas imediatamente nos agentes financeiros; – Construção de regramento, através de lei federal, que priorize o crédito dos produtores em caso de recuperação judicial ou falência; – Seguro diferenciado aos produtores de leite, que assegure tal condição; – Movimento permanente em defesa dos produtores de leite com todas as entidades comprometidas com o setor; e – Que o Ministério Público acompanhe a transferência de bens que as empresas podem estar fazendo. Ainda foram reivindicadas uma Política Nacional para a Produção Leiteira (preço mínimo, campanha de valorização do leite, entre outras). Também foi solicitada a anistia das dívidas junto ao Feaper. O delegado do MDA, Marcos Regelin, vai agendar uma audiência com o ministro Miguel Rossetto para as entidades representativas dos produtores tratarem do assunto. Ele informou que a Conab dispõe de R$ 13,5 bilhões para compra de leite em pó. <b>STRs fazem levantamento sobre atraso no pagamento do leite por parte da Bom Gosto e Promilk</b> Produtores de leite que têm dinheiro para receber da indústria Bom Gosto, referente ao atraso no pagamento do produto, devem informar os Sindicatos dos Trabalhadores Rurais, dos municípios em que residem, até amanhã, 14. Para isso, os agricultores precisam informar o valor pendente, quantidade do produto entregue, além de dados pessoais. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Augusto Pestana, Remi Beck, explica que a Bom Gosto quer acertar essas pendências. Inclusive há uma reunião marcada com a Fetag. Além disso, produtores que possuem dinheiro em atraso para receber do leite, porém da empresa Promilk, também devem comunicar os Sindicatos dos Trabalhadores Rurais até sexta-feira. Essa listagem referente à Promilk vai ser encaminhada para incluir na lista de interessados como credores na recuperação judicial da empresa.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here