São João Batista do Glória que integrar região produtora do Canastra. Selo deve incentivar economia local e aumentar competitividade do produto.

CPT - Centro de Produções Técnicas

Produtores de queijo de São João Batista do Glória (MG) entraram com um processo para que a cidade integre a região produtora do famoso queijo Canastra. Atualmente sete municípios fazem parte desta região, entre eles, Delfinópolis (MG), localizada aqui no Sul de Minas.

A Associação dos Produtores de Quejo Canastra (Aprocan) já aprovou a participação do município, mas a cidade, que tem cerca de 30 produtores, ainda precisa conseguir junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi), o registro de Indicação Geográfica e Procedência. O processo conta com o apoio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado Minas Gerais (Emater).

“Já houve uma autorização por parte da Aprocan, que é a Associação dos Produtores de Queijo Canastra. A gente espera que agora seja só trâmite legal para que, realmente, se torne uma realidade E que o município de São Batista do Glória seja incluso nos municípios que fazem parte do queijo da Canastra”, disse o gerente da Emater/Passos (MG), Frederido Osanan.

O município já foi detentor de uma das maiores bacias leiteiras da região, entretanto, o transporte do leite era uma das dificuldades enfrentadas pelos pequenos produtores. Motivo que incentivou a produção de queijo, principalmente em fazendas que estão localizadas praticamente dentro da serra. Mas a falta de uma certificação desvalorizou o produto e desmotivou a produção do queijo tão tradicional.

Na expectativa de voltar a produzir o queijo Canastra, tem produtor pensando nas adequações que a fazenda precisa.

“Para fabricar o queijo Canastra tem que ter a sala de maturação e tem que ter o trabalho de virar ele todos os dias, cuidar dele. Tem o processo de cura que é bem maior do que o fresco, porque ele gasta de 20 a 21 dias para que a gente possa industrializar pra vender, pra comercializar. E o queijo fresco não, a gente faz ele hoje e amanhã já está sendo entregue”, explicou a produtora de queijo Luciana Rita Soares Vilela.

O gado que produz o leite para a produção do queijo canastra também precisa ser diferenciado.

“É um gado que tem que se adaptar ao pasto. É diferente da vaca holandesa que tem que ser tratada com cilagem. Além disso, tem quem comer muita ração pra produzir, pois é um gado mais sensível, enquanto que esse gado consegue subir a serra procurando o seu alimento. É um leite com um teor de gordura mais gordo, um teor de gordura mais forte, que é apropriado para o queijo Canastra”, disse o produtor rural Ebenézer de Oliveira Vilela.

A conquista do selo deve incentivar a economia local e aumentar a competitividade do produto. “O principal é a segregação de valor e o incentivo, principalmente, para o pequeno produtor dele para ele manter essa tradição no meio rural”, contou Ailton César Costa, extensionista da Emater de São João Batista do Glória.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here