CPT - Centro de Produções Técnicas

Cerca de 70 produtores dos vales do Rio Pardo e Taquari deixarão de lado o trabalho braçal e diário de tirar leite das vacas. Eles delegarão a tarefa a um equipamento ainda inédito no Rio Grande do Sul. A ordenha robotizada deve entrar em operação no primeiro semestre de 2015, quando serão instalados os três primeiro de 12 equipamentos importados da Suécia pela Cooperativa dos Suinocultores de Encantado (Cosuel). A cooperativa implantará quatro condomínios automatizados (em Nova Bréscia, Arroio do Meio, Candelária e Roca Sales), com investimento de R$ 16,4 milhões. Além de tornar a captação de leite mais eficiente, o sistema reduz o problema da falta de mão de obra e reúne as informações do rebanho na tela do computador. – O grande diferencial é que os criadores terão controle total do rebanho – ressalta Gilberto Piccinini, presidente do conselho de administração da Dália, marca operada pela Cosuel. Também é considerada inovadora a associação de pequenos produtores em um mesmo espaço. Pelo Programa Associativo de Produção Leiteira, a infraestrutura, a tecnologia e a administração técnica são responsabilidade da cooperativa. Os produtores são sócios do empreendimento e responsáveis pela aquisição das vacas e pela alimentação por meio da venda de silagem para a associação. Eles adquirem cotas, de acordo com o número de animais que alojarão, pagam aluguel e recebem o valor da venda de leite correspondente a sua participação. Mais novo entre os membros do futuro condomínio de Nova Bréscia, Ricardo Schena, 25 anos, está ansioso para conhecer o equipamento: – Já pesquisei sobre o sistema e acho que vamos ter mais qualidade de vida e também leite melhor. Com gestão compartilhada, passam a ser melhor utilizados os equipamentos, a mão de obra e o tempo. O sistema permite que as vacas circulem livremente pelo estábulo e, ao passarem pelo robô, o equipamento identifica se está pronta para a ordenha, se precisa de suplementação, de comida ou água ou se está com algum sintoma anormal. Assim que o estado do animal é determinado, o próprio sistema abre o portão correto, para onde a vaca é direcionada. Assessor de política agrícola da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag), Airton Hochscheid avalia que a robotização incrementa a produção e facilita a vida do produtor, mas não considera o sistema uma tendência no setor: – Pode ajudar em áreas com falta de mão de obra, mas o equipamento está longe de ser uma realidade no Estado. Mais de 80% dos produtores são da agricultura familiar, sem condições de fazer investimento como esse.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here