CPT - Centro de Produções Técnicas

Os valores pagos aos produtores de leite em novembro tiveram forte redução. O principal motivo foi o aumento expressivo do volume captado em outubro por laticínios/cooperativas. Conforme as empresas amostradas pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, o crescimento foi de 7,6% em outubro frente ao mês anterior. O ICAP-Leite/Cepea atingiu o maior nível do mês de outubro desde o início da pesquisa, em 2004. O volume captado ficou próximo também dos picos históricos registrados em dezembro de 2007 e janeiro de 2008. O aumento da captação deve-se, sobretudo, ao período chuvoso e às temperaturas mais elevadas nas principais bacias leiteiras, que favorecem a produção de pastagens. Os preços brutos praticados em novembro (referentes à produção de outubro) recuaram 8,8%, ou 6,13 centavos por litro, em relação ao mês anterior, com a média ponderada indo para R$ 0,6371/litro – consideram-se os estados do RS, SC, PR, SP, MG, GO e BA. Neste ano, além do aumento da oferta, que pressiona as cotações dos derivados, também a elevada importação de lácteos a preços relativamente baixos desfavoreceram os preços de toda a cadeia doméstica. No mercado internacional, no entanto, as cotações estão se recuperando, o que pode limitar as compras externas e mesmo incentivar as vendas nacionais. Em outubro, o leite UHT teve média de R$ 1,31/litro no atacado estado de São Paulo, valor 7,25% inferior ao de setembro. Desde janeiro deste ano, o produto acumula queda de 12 centavos por litro. O leite em pó foi cotado em outubro à média de R$ 8,48/kg no atacado paulista, queda de 6,2% frente a setembro. O queijo mussarela registrou queda de 6,3% no mesmo período, sendo cotado a R$ 8,73/kg, em média. NOVEMBRO – Os preços pagos pelo leite ao produtor em novembro tiveram queda em todas as praças pesquisadas pelo Cepea. A maior redução foi observada no Rio Grande do Sul, de 8,75 centavos por litro, ou 13,16%, com a média a R$ 0,5773/l. Em Minas Gerais, o preço médio bruto pago pelo leite foi de R$ 0,6497/l, recuo de quase 6 centavos por litro (-8,3%) frente a outubro. Em Goiás, a média de novembro foi R$ 0,6332/l, queda de 9,4%. Em São Paulo, a redução foi de 9%, ou 6,57 centavos por litro, fechando a R$ 0,6695/l. A Bahia foi o único estado que registrou estabilidade nos preços frente a outubro. Mesmo com a retração dos preços, a média nacional do leite pago ao produtor ainda está 8,3% superior à de novembro do ano passado (R$ 0,5883/l). De janeiro a novembro, os preços pagos aos produtores tiveram média de R$ 0,6750/l, cerca de 3% inferior à do mesmo período de 2008. Apesar disso, no acumulado até outubro, a captação também está 3% menor que em igual período do ano passado. De acordo com 68,8% dos representantes de laticínios/cooperativas que colaboraram com a pesquisa do Cepea – que representam 68% do leite captado na amostra -, o preço do leite deverá ter nova queda no pagamento de dezembro. Já os cerca de 30% restantes acreditam em estabilidade no próximo mês.   Fonte: Cepea/Esalq/USP, adaptado pela Equipe Milknet 30/11/2009

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here