CPT - Centro de Produções Técnicas

A produção de 1.500 toneladas de soro de leite em pó por mês deu ao Laticínios Porto Alegre, em Ponte Nova, na Zona da Mata mineira, a marca de maior produtor desse item no país. Com duas torres de secagem para leite, o soro vai, principalmente, para cerca de 30 indústrias de alimentos – de chocolates e biscoitos. Mas a grandeza do Laticínios Porto Alegre não para por aí. Na linha de refrigerados – muçarela, requeijão, manteiga e queijos finos – a produção é de 2.000 toneladas por mês, e ainda tem 6 milhões de litros de leite UHT (de caixinha), além de creme de leite e achocolatado, com 200 toneladas de cada. A fase atual é de treinamento intenso da mão de obra, aproveitando o momento para qualificar ainda mais os mil empregados. “Desde o final de 2011, quando inauguramos outra unidade em Ponte Nova, não paramos em nenhum ano de crescer”, conta o presidente da empresa, João Lúcio Barreto Carneiro, 48. E, para mostrar a constante agitação da fábrica, ele dispara na cronologia: “Fizemos investimentos para a unidade em 2011; em 2012 lançamos o leite longa vida; em 2013 começamos uma nova ampliação, aumentando a parte de queijos, achocolatados e creme de leite, concluindo a obra no final de 2014. Agora já estamos ampliando o depósito para aumentar a produção de leite UHT, achocolatado e creme de leite, então já estamos em obras novamente”. Investimentos. Para fazer a fábrica sempre crescer – a companhia tem uma segunda unidade em Mutum, no Rio Doce –, Carneiro informa que neste ano estão sendo investidos R$ 20 milhões, sendo R$ 10 milhões na unidade de Ponte Nova e R$ 10 milhões na área comercial. “Adquirimos uma área em Belo Horizonte para poder melhorar a distribuição e adquirimos mais 26 caminhões da marca Iveco para poder aumentar a logística na região metropolitana da capital. Vamos agora para 74 caminhões”, explica. Por conta da expansão, novas contratações de funcionários vão acontecer. “Vamos aumentar em torno de 5% a 10% o quadro contratando cem funcionários tanto na área comercial como na área industrial”, diz. O próximo passo, de acordo com Carneiro, é entrar no mercado de São Paulo. Atualmente os produtos Porto Alegre estão em 4.000 pontos de venda, atendendo os mercados dos Estados de Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro. Se 2015 foi um bom ano, Carneiro não tem dúvida disso. “Nossa meta era crescer 25%, vamos crescer em torno de 15% a 18% e estamos aumentando o volume em torno de 5%”, calcula. Em termos de faturamento, Carneiro já tem a conta feita. Vai faturar R$ 500 milhões neste ano, sendo que em 2014 foram R$ 410 milhões. “E, no ano que vem, o projeto é faturar R$ 600 milhões e aumentar a captação em mais 100 mil litros de leite por dia”, planeja o confiante Carneiro. <b>Embriões</b> Genética. O presidente do Laticínios Porto Alegre, João Lúcio Barreto Carneiro vai fornecer embriões para os produtores que vendem leite para o laticínio. O produtor vai pagar R$ 460 por prenhez positiva na vaca.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here