CPT - Centro de Produções Técnicas

Comer carne demais na meia idade pode ser mais mortal que o fumo, segundo estudo da Universidade do Sul da Califórnia (USC), nos Estados Unidos. A pesquisa verificou que o consumo exagerado de proteína animal (incluindo também ovos, leite e queijo) aumentou em quatro vezes as chances de morte por câncer e diabetes na população estudada, da faixa etária dos 35 aos 58 anos. O percentual é maior do que o associado ao tabagismo. O estudo acompanhou mais de sete mil adultos por 18 anos, e descobriu que tais excessos dobraram a probabilidade de morte prematura. Já em idosos, o efeito foi o contrário: a dieta rica em proteína diminui em 60% as mortes por câncer. A proteína ajuda a controlar a produção do hormônio do crescimento (IGF-I), que atua no desenvolvimento dos tecidos do corpo, mas que, em excesso, aumenta a vulnerabilidade ao câncer. Os níveis de IGF-I caem dramaticamente após os 65 anos, levando à perda de massa muscular. Por isso, para essa faixa etária, o adicional proteico foi saudável Os prejuízos associados à morte precoce não foram verificados nos grupos que faziam dietas ricas em proteína vegetal, obtida em grãos (soja, feijão) e em leguminosas (vagem, lentilha, ervilha). O risco de desenvolver tipos fatais de câncer foi menor nos adultos que faziam dieta de baixa proteína — não importando a fonte do nutriente. Valter Longo, autor da pesquisa, diz que a ingestão diária de proteína deveria ficar em torno de 0,8 gramas para cada quilo do peso corporal da pessoa. Para alguém com 60 quilos, por exemplo, o recomendado seria o equivalente a 48 gramas de carne por dia. O desafio da pesquisa foi estabelecer uma relação direta de causa e efeito entre o consumo dos alimentos em questão e o aparecimento de sintomas ligados a diabetes, câncer, e outras doenças que deram causa às mortes dos participantes. “Estudos que analisam o efeito dos hábitos alimentares precisam ser vistos com cuidado. É difícil identificar um elo de causalidade entre o nutriente e os sintomas”, disse Peter Emery, coordenador de Nutrição na Universidade de King’s College de Londres, ao ‘The Guardian’. <b>Dietas</b> O nutricionista Fábio Bicalho recomenda que os interessados em reduzir a proteína nas refeições aumentem o consumo de hortaliças, frutas e grãos integrais, dando preferência a orgânicos. Veja abaixo algumas sugestões de dieta: ‘Mediterrânea’ Nesta dieta, o consumo de carne vermelha é limitado a poucas vezes por mês; a manteiga é substituída pelo azeite de oliva; e são recomendados frutas, legumes e cereais integrais. Peixes e frangos devem ser feitos duas vezes na semana. ‘ Dash’ Desenvolvida por Institutos Nacionais de Saúde dos EUA para reduzir a pressão arterial sem medicação. É uma rica em frutas, legumes e laticínios com baixo teor de gordura. ‘Vegetariana’ O ‘vegetariano estrito’ (que não come derivados de ovo ou leite) exclui da dieta qualquer produto de origem animal. Para isso, compensa com proteínas vegetais.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here