CPT - Centro de Produções Técnicas

O Ministério Público denunciou mais 18 pessoas que estariam envolvidas em crimes investigados pelas sétima e oitava fases da Operação Leite Compen$ado. As denúncias foram oferecidas na última quarta-feira pela promotoria de Justiça Especializada Criminal, assinadas pelo promotor de Justiça Mauro Rockenbach, à Justiça das comarcas de Erechim e Getúlio Vargas. As informações foram divulgadas nesta segunda-feira no site do órgão. Na sétima fase, são 12 novos acusados. Conforme as investigações do MP, Eliana Maria Vendruscolo Suzin, gerente e administradora da empresa Vendrúsculo e Cia. Ltda, e os motoristas Edeovar Tenutti, Vandirlei Luiz Barbieri e Neodir Soares teriam adulterado, falsificado, corrompido e transportado leite fraudado, na localidade de Mariano Moro, até o posto de resfriamento Rempel & Coghetto Ltda. No local, o proprietário Amauri Rempel receberia o produto, com auxílio das laboratoristas Andresa Segatt e Angélica Rempel. As duas não teriam realizado as análises adequadas para atestar os parâmetros de controle de qualidade de matéria-prima, sob o amparo de Márcia Bernardi, laboratorista-chefe. Neste mesmo período, entre maio de 2014 e maio de 2015, outro grupo estaria envolvido no suposto esquema. De acordo com as investigações, Dionisio Pogorzelski e Jovani José Pogorzelski, proprietários da Transportes de Cargas Pogorzelski Ltda, localizada no município de Floriano Peixoto, seriam os mentores e chefiariam os motoristas Natal Agapito Machado Filho e Clair Marcio Modkovski. Machado e Modkovski teriam participado do crime ao adulterar, falsificar, corromper e transportar o leite até a Rempel & Coghetto Ltda. Já pela Operação Leite Compen$ado 8, outras seis pessoas foram denunciadas pela adulteração no leite encaminhado para a Cooperativa de Pequenos Agropecuaristas de Campinas do Sul (Coopasul). Segundo o MP, entre os dias 9 e 11 de março de 2015, em Ponte Preta, os primos Adriano Melati e Reinaldo Melati teriam corrompido, adulterado e alterado o leite in natura com a adição de água e de algum soluto para aumentar o volume da carga. O presidente da Coopasul, Ariel Paulo Narzetti, junto aos responsáveis pelo laboratório da empresa, Douglas Bonfante e Marcos José Baldiga, além de Ediovani Gleison Demarco, que fazia as coletas de amostras da Coopasul, teria recebido a substância alimentícia adulterada, corrompida e falsificada, destinada a consumo humano, mantendo-a em depósito para vender. Douglas e Ariel seguem presos desde 13 de maio com outros quatro suspeitos de crimes das duas fases da operação.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here