CPT - Centro de Produções Técnicas

A partir de 1º de novembro, pecuaristas de Minas Gerais poderão fazer a declaração de vacinação contra a febre aftosa via internet. A plataforma on-line, que está sendo implantada pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) facilitará a vida do produtor rural e do órgão de defesa sanitária. O novo sistema de declaração eletrônica cruzará dados de revendedores de vacinas cadastrados e de produtores rurais, podendo antecipar diagnósticos da imunização e soluções para possíveis problemas, como, por exemplo, a falta de doses em determinadas regiões, garantindo melhor gestão da cobertura vacinal no Estado. Normalmente, produtores rurais têm que fazer a declaração presencialmente, nos escritórios regionais do IMA. Eles vão até a unidade e apresentam os documentos necessários, como as notas fiscais das vacinas adquiridas na rede credenciada. Com a nova plataforma, os pecuaristas poderão fazer a declaração eletrônica, informando os dados via web. "Quem compra e também quem vende as vacinas darão entrada de informações no sistema. Haverá uma cartilha no site do IMA com o passo a passo. As revendedoras disponibilizarão os dados da venda, como a nota fiscal eletrônica, que serão ser acessados e confirmados pelo pecuarista para a declaração eletrônica", explica o médico veterinário Bruno Rocha Melo, da Gerência de Defesa Sanitária Animal (GDA) do IMA. Para ele, "o novo sistema trará profunda transformação para a defesa sanitária em Minas, com mais agilidade e comodidade ao produtor e mais transparência ao processo". "Para o IMA, também trará grande avanço, ao liberar equipes do trabalho burocrático para atendimento a campo". Ainda de acordo com o médico veterinário, a declaração eletrônica também poderá ser feita para o envio de dados sobre raiva dos herbívoros e brucelose, estabelecidos pela Portaria nº 1.430, que entra em vigor a partir de 1º de novembro. Não obrigatório – Inicialmente, a declaração eletrônica não será obrigatória. Caso o pecuarista prefira, poderá continuar informando os dados presencialmente. Mas Rocha acredita que as adesões ao novo modelo serão crescentes já nos primeiros anos após a implementação. Para isso, o instituto contará com a parceria da Faemg, que apoia a proposta, atuando junto aos sindicatos rurais na divulgação e treinamento dos produtores para o envio da declaração eletrônica. Ontem, as equipes técnicas do IMA e da federação se reuniram para tratar do assunto. "Mesmo que haja resistência inicial ou mesmo dificuldades do produtor para se adequar à novidade, o rumo está dado e é acertado sob diversos aspectos para continuarmos progredindo no desenvolvimento da nossa agropecuária. A Faemg valoriza os ganhos que essa plataforma oferece e trabalhará junto ao IMA pela sua viabilização em todo o Estado", disse o presidente do Sistema Faemg, Roberto Simões, em nota enviada à imprensa. Bruno Rocha, do IMA, acrescenta que a cobertura contra a aftosa em Minas está atualmente em 97% do rebanho, o que é considerado um percentual bastante satisfatório.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here