CPT - Centro de Produções Técnicas

O período de entressafra fez com que os preços do leite em Minas Gerais apresentassem alta pelo sexto mês consecutivo. De acordo com levantamento feito pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), em julho, referente à produção entregue em junho, os pecuaristas do Estado receberam na média bruta 2,19% e na líquida 3,37% a mais pela comercialização do produto. A tendência para agosto é de estabilização dos preços. Assim como em Minas Gerais, a alta também foi observada na média Brasil, composta pelos resultados dos estados de Minas Gerais, São Paulo, Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Bahia e Goiás. O valor médio líqüido do leite em julho, foi de R$ 0,976 por litro, alta de 2,34% frente ao mês anterior, mas 11,5% inferior na comparação com junho de 2014. O preço bruto (inclui frete e impostos) foi de R$ 1,064 por litro, elevação de 2,19% em relação a junho, porém 11% menor nos últimos 12 meses. De acordo com os pesquisadores do Cepea, a valorização nos últimos meses tem sido contínua, porém em percentuais mensais menores que os observados em anos anteriores. Isso devido à demanda pouco aquecida pelos lácteos, o que dificulta a recuperação dos preços ao produtor em um menor período de tempo. Com relação à produção de leite, o Índice de Captação de Leite do Cepea (Icap-L/Cepea) teve alta de 4,28% de maio para junho e de expressivos 11,12% em relação a junho de 2014. O aumento se deve ao período de safra na região Sul do País. Em Minas Gerais, ao longo de julho, os pecuaristas receberam, na média líquida, R$ 0,97 por litro, aumento de 2,37%. O preço bruto médio ficou em R$ 1,06, alta de 2,19% pela negociação do litro de leite. Apesar do incremento, os valores pagos pelo produto estão menores quando comparado com 2014. Em igual mês do ano passado, o litro do leite foi negociado na média líquida a R$ 1,02 e a R$ 1,11, valor bruto. Perda de 4,9% e 4,5%, respectivamente. Regiões – Em julho, foi verificada valorização dos preços do leite em todas as regiões de Minas Gerais. No Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba o aumento foi de 2,26% no valor bruto (R$ 1,15 por litro) e de 2,43% no preço líqüido (R$ 1,06 por litro). No Sul e Sudoeste a elevação de 2,16% no preço bruto fez com que o litro de leite fosse negociado a R$ 0,84. No valor líqüido, o produtor recebeu R$ 0,77, variação positiva de 2,32%. Na Zona da Mata a alta foi de 3,92% com o litro comercializado a R$ 0,86, preço líqüido, e R$ 0,94 valor bruto, alta de 3,77%. Na Região Metropolitana de Belo Horizonte o litro de leite foi vendido a R$ 0,99, o que representou avanço de 1,02% no preço líqüido. O valor bruto ficou 0,96% superior, com o produto negociado a R$ 1,11. A valorização no Vale do Rio Doce foi de 0,11%, valor bruto, e de 0,18% no preço líqüido, como o litro comercializado a R$ 1,07 e R$ 1,18, respectivamente. Para agosto, a tendência é de estabilização dos valores. Entre as cooperativas e laticínios ouvidos pelo Cepea, 28,6% (que representam 34% do leite amostrado) acreditam em alta, 39,3% (56% do leite amostrado) sinalizam estabilidade. Já 32,1% dos pesquisados esperam desvalorização.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here