A empresa suspeitou do golpe, após fechar uma compra com os suspeitos no valor aproximado de R$ 4 milhões, e acionou a Polícia Civil, que investiga o caso há três meses

CPT - Centro de Produções Técnicas

A Delegacia de Crimes Contra o Patrimônio (Depatri) de Cachoeiro recuperou 1.300 litros de leite de uma Cooperativa de Laticínios do município, que eram vendidos de forma irregular em São Paulo. A ação contou com o apoio da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Sorocaba e da Delegacia Central de Itu.

De acordo com o titular da Depatri, Rafael Carvalho, responsável pelas investigações, a empresa suspeitou do golpe e acionou a polícia. “Há três meses, os suspeitos de praticarem o crime entraram em contato com a empresa de laticínios, se passando por representantes de uma marca, e fecharam um contrato de compra no valor, aproximado, de R$ 4 milhões”, explica.

A carga, que seria metade de leite e a outra metade de queijos seguiria para o município de Vinhedo, em São Paulo. Na primeira entregue seria somente a de leite e a de queijo iria posteriormente. No caminho da entrega, o leite foi transferido do caminhão de uma empresa de transporte de Cachoeiro para outro caminhão, e seguiu para outro destino. “Posteriormente, foi constatado que os suspeitos não eram representantes e, a partir das investigações, foi possível descobrir que a mercadoria foi desviada de sua rota original e estava sendo vendida ilegalmente nas cidades paulistas de Sorocaba, Itu e Iperó e distribuída no comércio da região”, continua o delegado.

Diante das informações, Carvalho solicitou à Justiça do município cinco mandados de busca e apreensão, e o pedido com acatado. Ele, juntamente, com a equipe de investigação da Depatri, seguiu até o estado de São Paulo e em um supermercado, localizaram e apreenderam 1.300 litros de leite. Ninguém foi preso. Ainda, segundo o delegado, as investigações seguem em andamento para localizar os suspeitos do golpe. O leite apreendido está na Delegacia de Socorocaba para ser entregue à Cooperativa.

Através da assessoria, a Cooperativa de Laticínios Selita informa que ao fazer a pesquisa sobre a empresa, foi descoberto que não era idônea e imediatamente, o caso foi levado à Polícia Civil. Além disso, a empresa ressalta que faz buscas por históricos das empresas que prestam serviços à Cooperativa. Hoje, as 4.500 empresas cadastradas na Cooperativa passaram por um rigoroso critério de avaliação. Sempre que algo de irregular é constatado, o caso é levado à polícia.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here