CPT - Centro de Produções Técnicas

O preço do leite nos principais estados produtores do Brasil teve, em maio, a quinta alta consecutiva do ano. Mesmo assim, o reajuste é insuficiente para fazer com que os criadores de gado leiteiro saiam do vermelho. De acordo com o pecuarista José Dini, de Piracicaba (SP), no início do ano, a indústria pagava R$ 0,80 pelo litro de leite. Atualmente, o produto é negociado a R$ 1. O que é insuficiente para cobrir os custos, onerados pelo aumento do preço do milho e da soja, na opinião do produtor. Para compensar os gastos, afirma Dini, o leite precisaria estar custando de R$ 1,20 para cima. “Mais a qualidade, chegaria aí a R$ 1,25-R$ 1,30 o litro”, afirma. Na análise do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, a média Brasil de preço – que pondera valores dos estados de Bahia, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo foi o principal – está 15% maior que há um ano. O que está segurando as cotações é a baixa oferta de leite: nos primeiros cinco meses de 2016, a queda na captação foi de 18,4%, na comparação com o mesmo período do ano passado. Segundo o analista do Cepea Wagner Yanaguizawa, a indústria não conseguiu fazer os estoques que geralmente faz, principalmente por conta dos efeitos climáticos. A chuva veio atrasada, e de forma intensa, prejudicando os pastos e aumentando o custo. “O produtor, já desestimulado pelo preço da ração, começou a adiantar o período de secagem das vacas, e a oferta começou a se agravar um pouco antes do que sazonalmente ocorre”, diz o analista. Ele acredita, porém, que há sinalização da indústria em estabilizar os preços no médio prazo, em função da diminuição da margem que que ocorre atualmente.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here