CPT - Centro de Produções Técnicas

Estoques altos e retração na demanda devido, principalmente, às férias escolares, fizeram os preços do leite pagos ao produtor recuarem novamente em janeiro em todas as regiões acompanhadas pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. O movimento de queda persiste desde junho/14 e já diminuiu a “média Brasil” líquida (valor recebido pelos produtores) em 17%. A pesquisa é feita nos estados de GO, MG, PR, RS, SC, SP e BA. Em janeiro, a “média Brasil” líquida (sem frete ou impostos) foi de R$ 0,8446/litro, redução de 5,8% – ou 5,2 centavos de Real por litro na comparação com dezembro/14. Em relação a janeiro/14, a queda foi de 10,8% em termos reais (deflacionados pelo IPCA de dez/14). O preço bruto médio (inclui frete e impostos – pago ao produtor) foi de R$ 0,9292/litro, queda de 5,3% ou também 5,2 centavos frente ao mês anterior. As chuvas abaixo do esperado em muitas regiões embasam a expectativa, por parte de alguns representantes de laticínios/cooperativas consultados, de retomada das cotações no curto prazo. Outro grupo acredita em estabilidade para os próximos meses, mas a maior parcela ainda vê fundamentos para novas quedas. Derivados – No mercado de derivados, também houve desvalorizações no comparativo com dezembro/14. No atacado do estado de São Paulo, o leite UHT recuou 5,33%, com média de R$ 1,7952/litro. O queijo muçarela ficou praticamente estável (-0,30%), a R$ 11,19/kg em janeiro. Alguns atacadistas acreditam em preços mais firmes a partir da segunda quinzena de fevereiro. Os estoques diminuíram e algumas indústrias estão “testando” o mercado, praticando leves altas para a recuperação das margens ou até mesmo para alinhamento com os custos de produção mais altos neste início de ano.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here