CPT - Centro de Produções Técnicas

Alergia alimentar é uma reação adversa provocada pelo alimento em um indivíduo com suscetibilidade a essa condição. Sua real incidência e prevalência não são muito bem conhecidas em função das diferenças nos diagnósticos, com mais frequência na infância. “Um dos fatores que pode ser responsável pelo surgimento de alergia alimentar no primeiro ano de vida relaciona-se a elevada velocidade de desenvolvimento do maturação no sistema imunológico do intestino”, avalia o dr. Mauro Batista de Morais, pediatra e presidente do departamento de gastroenterologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP). Com o passar do tempo, o indivíduo que apresenta alergia a determinado alimento pode desenvolver tolerância e não apresentar mais reação. <b>Principais alimentos e sintomas</b> Os alimentos que com maior frequência determinam o desenvolvimento de alergia alimentar são: leite de vaca, clara de ovo, frutos do mar, nozes, castanhas e amendoins, soja, e todos que contenham proteínas com potencial de provocar reação envolvendo o sistema imunológico intestinal. A cada novo contato, a pessoa reage da mesma forma. “Em bebês até um ano, a alergia mais comum é à proteína do leite de vaca (APLV). Isso ocorre principalmente quando ele deixa de ingerir leite materno e passa a tomar o de vaca”, comenta dr. Mauro. Os sintomas são variados e se apresentam no sistema digestivo e na pele. As manifestações digestivas mais comuns são os vômitos, irritabilidade, choro contínuo, cólica, dificuldade de alimentação, refluxo, diarreia crônica, diarreia com sangue e constipação intestinal. “É difícil para o médico definir o que é sinal de alergia ou de outras causas. Por exemplo, cólica pode ter relação com alergia; entretanto, na maioria das vezes, não tem qualquer ligação. O mesmo pode acontecer na pele.”, afirma o pediatra. <b>Tratamento</b> O único tratamento aceitável é a exclusão completa da proteína na dieta da pessoa. A alergia alimentar, na maior parte dos casos, ocorre com um único alimento. Existem casos de alergias múltiplas, no entanto, são mais raros. Para o bebezinho que toma mamadeira e apresenta APLV não é tão simples assim. É necessário encontrar fórmulas especiais para suprir as necessidades nutricionais, com pequenos peptídeos (proteína extensamente hidrolisada) e aminoácidos que impedem a manifestação do quadro alérgico. As fórmulas de soja não são recomendadas para os menores de seis meses. Atualmente não existem testes diagnósticos para alergia alimentar, especialmente a APLV. “É importante que as pessoas consultem o pediatra para verificar se realmente aquele quadro clínico é compatível com APLV. Neste caso, o Pediatra define a melhor conduta em termos de alimentação e planeja com estabelecer o diagnóstico”, conclui Dr. Mauro.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here