O preço do leite ao produtor em julho, referente à captação de junho, atingiu R$ 1,7573/litro na “Média Brasil” líquida do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, expressivas altas de 16,1% em relação ao mês anterior e de 25% frente ao mesmo período do ano passado (a série foi deflacionada pelo IPCA de junho/20). Esse é o maior valor registrado para um mês de julho e o segundo mais alto de toda a série histórica do Cepea (desde 2004), atrás apenas da média de agosto/16 (R$ 1,7751/litro). 
 
A elevação nos preços se deve à maior competição entre as indústrias de laticínios para garantir a compra de matéria-prima em junho. A concorrência acirrada, por sua vez, esteve atrelada à necessidade de se refazer estoques de derivados lácteos. Tipicamente, as indústrias empenham esforços nessa direção antes de abril, prevendo que a captação caia nos meses posteriores. Contudo, neste ano, as perspectivas negativas sobre o consumo nos médio e longo prazos diante da pandemia da covid-19 aumentaram o nível de incerteza em abril e diminuíram os investimentos das indústrias em estoques.
 
Com a reação no consumo (ancorada nos programas de auxílio emergencial), as vendas de lácteos se fortaleceram em maio e junho, reduzindo ainda mais os estoques. Diante disso, houve expressivas altas nos preços dos derivados lácteos em junho: de 17,7% no caso do UHT, de 23% para a muçarela e de 10,9% no leite em pó. No campo, a oferta restrita em junho resultou em disparada no valor do leite spot. Na média de junho, o preço do leite spot em Minas Gerais ficou 45% acima do de maio, em termos nominais, chegando a R$ 2,28/litro. 
 
Gráfico 1. Série de preços médios recebidos pelo produtor (líquido), em valores reais (deflacionados pelo IPCA de junho/2020)
Fonte: Cepea-Esalq/USP.
 
É importante ressaltar que existe uma tendência típica de aumento das cotações ao produtor entre março e agosto, devido à sazonalidade da produção. Neste período, a captação de leite é prejudicada pela baixa disponibilidade de pastagens, em decorrência da diminuição das chuvas no Sudeste e no Centro-Oeste. No entanto, o Índice de Captação Leiteira (ICAP-L) do Cepea registrou alta de 4,5% frente a maio na “Média Brasil”, puxado pelos aumentos de 10% no volume captado no Rio Grande do Sul, de 7% em Santa Catarina e de 7,4% no Paraná. A maior captação no Sul, por sua vez, esteve relacionada às melhores condições climáticas e também à ampliação do fornecimento de concentrado e silagem, estimulados pelos elevados patamares de preços do leite. 
 
Custos também em alta – É importante lembrar que, comparado ao ano anterior, os custos de produção leiteira estão maiores. Pesquisas do Cepea mostram que, com o recuo nas cotações do milho em junho, o pecuarista leiteiro registrou melhor relação de troca neste ano frente ao cereal, sendo necessários 35,2 litros de leite para a aquisição de uma saca de 60 kg de milho. Entretanto, em junho de 2019, eram necessários 24,9 litros/sc 60 kg. Dessa forma, o poder de compra do produtor de leite diminuiu quase 30% na comparação anual.
 
Preços do leite pagos ao produtor no mês de Julho/2020
 
Cotações de leite cru – Preços pagos pelos laticínios e recebidos pelos produtores (líquido) em Julho/20 referentes ao leite entregue em Junho/20 nos estados que compõem e não compõem a “Média Brasil”.
 
Dados deflacionados pelo IPCA de Junho de 2020.
 
A “Média Brasil” líquida contém os preços de BA, GO, MG, SP, PR, SC e RS ponderados pelos seus respectivos volumes de negociação, sem considerar frete ou impostos. Demais estados RJ, ES, MS, CE e PE não estão incluídos na “Média Brasil”.
Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here