CPT - Centro de Produções Técnicas

As denúncias de adulteração do leite em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul acabaram causando uma crise no setor, com laticínios fechados, falta de pagamento e queda de 20 a 30% no preço do leite. Por isso representantes do governo federal, lideranças sindicais e cooperativistas, deputados, prefeitos e agricultores estiveram reunidos ontem no Centro de Pesquisas da Agricultura Familiar da Epagri, em Chapecó. O objetivo foi traçar um cenário da situação e buscar soluções para contornar o mau momento. O secretário da Agricultura de Chapecó, Valdir Crestani, disse que essa crise é pior do que uma estiagem. — O leite perdeu sua imagem de qualidade, precisamos fazer um esforço para recuperar isso — sugeriu. Em virtude das fraudes, o leite se transformou num alimento suspeito para o consumidor. E com isso o preço caiu até 30% em alguns locais. Nas regiões próximas de onde ocorreram as fraudes, produtores que antes ganhavam próximo de R$ 1,00, agora estão ganhando R$ 0,65 por litro. — Esse é o nosso décimo terceiro — lamentou o agricultor Pedro Mor, de Formosa do Sul. Ele tem 18 vacas que produzem 220 litros de leite por dia e calcula que tem cerca de R$ 9 mil para receber de uma cooperativa que está entre as suspeitas de adulteração. Ele teve que pegar empréstimo no banco e com vizinhos para manter a produção. E viu o preço cair de 10 a 15 centavos por litro, na troca por outro laticínio. A maioria dos laticínios que foram denunciados pelo Ministério Público está com atraso nos pagamentos, num volume que supera R$ 1,5 milhão. O deputado federal Pedro Uczai (PT) defendeu uma política nacional de leite com crédito, subsídio e assistência técnica. O pesquisador da Epagri Vilson Testa sugeriu a criação de um cadastro dos agricultores familiares na forma de um cartão, para que o governo pudesse ter dados precisos sobre a produção, incentivar quem precisa e cobrar metas. O delegado do Ministério da Agricultura em Santa Catarina Jurandi Gugel defendeu o incremento de assistência técnica e extensão rural com foco na qualidade da produção. Já o secretário nacional de Segurança Alimentar e Nutricional do Ministério do Desenvolvimento Social, Arnoldo Campos, acenou com a possibilidade de renegociar dívidas dos agricultores afetados pelo fechamento dos laticínios e também a compra de estoques de leite. — Poderemos comprar mas não em grandes volumes — ressaltou. Essa compra também será apenas a partir de janeiro. Além disso ele sugeriu mapear os agricultores e cooperativas com problemas financeiros para que o governo possa intervir. Mas sugeriu que as cooperativas tenham um fundo para os momentos de crise. O coordenador da Federação da Agricultura Familiar da Região Sul (Fetraf-Sul), Celso Ludwig, disse que o momento é de melhorar os sistemas de produção. Além disso, é preciso um esforço para mostrar que as fraudes são a minoria e que há uma preocupação dos agricultores em produzir um alimento sadio. — Temos que recuperar a imagem da qualidade do leite — disse. São 80 mil famílias envolvidas na produção de leite em Santa Catarina, segundo dados da Secretaria de Agricultura do Estado.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here