CPT - Centro de Produções Técnicas

As exportações de produtos do agronegócio brasileiro somaram US$ 9,11 bilhões no mês de julho, queda de 5,2% ante julho de 2014. Já as importações foram 23,7% menores, atingindo US$ 1,15 bilhão. Com isso, o superávit do setor foi de US$ 7,96 bilhões, 1,8% menor que o observado em igual mês do ano passado, segundo o Ministério da Agricultura. Os dados mostram que no último mês as exportações do agronegócio brasileiro representaram 49,2% do total das vendas externas do País. Os cinco principais setores a exportar foram o complexo soja, com participação de 43,2% das exportações do agronegócio; carnes, com 16,1%; produtos florestais, com 10,6%; complexo sucroalcooleiro, com 9,1%; e café, com participação de 5,1%. Em conjunto, as vendas externas dos cinco setores representaram 84,0% do total exportado pelo setor em julho. De acordo com o Ministério da Agricultura, as exportações do complexo soja se mantiveram estáveis em relação a julho de 2014, com US$ 3,93 bilhões. Os embarques de soja em grão responderam por US$ 3,22 bilhões. O volume enviado ao exterior cresceu 39,7%, mas o valor médio do produto recuou 26,7%, passando de US$ 521 para US$ 382 a tonelada. As exportações de carnes totalizaram US$ 1,46 bilhão em julho, com retração de 11,8%. O volume embarcado cresceu 9,1%, mas o preço médio dos produtos do setor caiu 19,1%. O principal item negociado no mês foi a carne de frango, com US$ 764 milhões (-1,1%). "Com a comercialização de 440 mil toneladas no mês, houve variação positiva de 18,7% em relação a julho de 2014. Não obstante, o preço médio no mercado internacional passou de US$ 2.079 por tonelada para US$ 1.773 por tonelada (-16,6%)", destacou o Ministério, acrescentando que as vendas de carne de frango in natura bateram o recorde mensal tanto em valor, com US$ 685 milhões, quanto em quantidade, com 410 mil toneladas. As vendas do complexo sucroalcooleiro atingiram US$ 829 milhões, queda de 21,4% ante julho de 2014. As vendas de açúcar foram destaque, somando US$ 728 milhões (-26,9%) em receita e 2,35 milhões de toneladas em volume (-5,5). Já as exportações de café atingiram US$ 461 milhões, retração de 20,9% em comparação ao mesmo mês do ano anterior. Em volume, a queda foi de 9,4%, com a comercialização de 158 mil toneladas. Dos produtos importados no mês que passou, os principais foram trigo (US$ 127 milhões, com recuo de 37,1%); papel e celulose (US$ 110 milhões -37,4%); pescados (US$ 81 milhões -16,1%); lácteos (US$ 36 milhões -20,6%); e borracha natural (US$ 34 milhões -25,0%). <b>Acumulado do ano</b> Nos sete primeiros meses do ano, as exportações brasileiras do agronegócio somam US$ 52,37 bilhões, queda de 10,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. As importações recuaram 16,6%, para US$ 8,21 bilhões. Com isso, o superávit é de 44,16 bilhões (-9,6%). Segundo o Ministério, a redução decorreu particularmente em função da retração nas vendas do complexo soja, que foram US$ 4,25 bilhões inferiores. As carnes foram o segundo setor que mais contribuiu para o decréscimo nas exportações do País, com US$ 1,41 bilhão a menos.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here