CPT - Centro de Produções Técnicas

Em dezembro, o preço médio bruto pago pelo leite aos produtores foi de R$ 0,7207/litro, leve alta de 0,9% (0,6 centavo por litro) frente a novembro; em relação ao mesmo mês de 2009, houve aumento de 19,6%. O valor pago em dezembro foi o segundo maior para o período desde 1994, ficando abaixo apenas do registrado em 2007, quando chegou a R$ 0,7910/litro, em termos reais (retificado em 28/12/2010). Apesar da recuperação da produção de leite, o volume ofertado ainda não foi suficiente para desvalorizar o produto. O patamar de preços relativamente mais elevado neste período do ano é resultado de condições climáticas desfavoráveis (seca) em algumas regiões e do aumento dos custos de produção (concentrado) durante o segundo semestre, que limitaram um maior avanço da produção de leite nos últimos meses. Vale lembrar que, neste ano, de forma atípica, houve quedas de preços durante o período de entressafra. Além do clima e dos elevados custos no segundo semestre deste ano, o consumo interno aquecido ajudou a sustentar o mercado em 2010, tendo em vista a retomada da economia. Considerando-se a média dos 12 meses deste ano, constata-se que houve aumento de 0,59% em relação a 2009 – já descontada a inflação. Em termos nominais (ou seja, sem descontar-se a inflação), o acréscimo foi de 5,5%. Em novembro, o Índice de Captação de Leite do Cepea (ICAP-Leite), ponderado pelos estados de RS, PR, SP, MG, GO e BA, teve aumento de 2,7% frente ao de outubro. Houve queda na captação apenas no Rio Grande do Sul, devido à menor quantidade de pastagens. Nos demais estados pesquisados, houve aumento do índice entre outubro e novembro. No entanto, em comparação com o mesmo período de 2009, o ICAP-Leite/Cepea teve recuo de 3,3% – é importante ressaltar que, naquele período de 2009, as chuvas intensas no segundo semestre favoreceram o aumento da produção de leite. No correr de 2010, de janeiro a novembro, o índice de captação registrou aumento de 3,5% frente ao mesmo período de 2009. Para dezembro, espera-se novo aumento da oferta de leite com o aumento das chuvas. Para o pagamento de janeiro (referente à produção entregue em dezembro), 53,9% dos compradores entrevistados (representantes de laticínios/cooperativas), que representam 53,3% do volume amostrado, acredita em estabilidade de preços. Para 28,1% das indústrias/cooperativas (responsáveis por 16,4% do volume de leite da amostra), deve haver novo aumento de preços e, para os 18% restantes (que representam 30,3% do volume amostrado), deve haver redução nos preços. O mercado spot (comercialização do leite cru/resfriado entre as indústrias/cooperativas) seguiu firme entre novembro e dezembro, o que pode sinalizar que os preços a serem pagos aos produtores em janeiro também permaneçam nos mesmos patamares. O mercado spot funciona como um “termômetro” para o setor. As variações ocorrem de forma mais intensa e antecipada nesse segmento em relação ao mercado ao produtor. Entre os derivados, o leite UHT permaneceu estável em meados de dezembro, enquanto o queijo muçarela perdeu um pouco de força devido ao aumento da oferta, segundo agentes consultados pelo Cepea. DEZEMBRO – O Sul do País continuou registrando as maiores altas de preços do leite em dezembro. Em Santa Catarina, o aumento foi de 4,22% (quase 3 centavos por litro) em relação a novembro, com média de R$ 0,7373/litro (preço bruto). No Rio Grande do Sul, houve acréscimo de 3% (1,9 centavo por litro), com o litro passando para R$ 0,6513. No Paraná, a alta foi de 1,3% (quase 1 centavo por litro), com a média a R$ 0,7469/litro. Em Goiás, houve aumento de 1,1% (menos de 1 centavo por litro), com o litro a R$ 0,7366. O maior preço médio continuou sendo verificado em São Paulo, de R$ 0,7586/litro, praticamente estável frente a novembro. Em Minas Gerais, os preços também se mantiveram praticamente estáveis, com leve recuo de 0,3%, com a média a R$ 0,7235/litro. Na Bahia, a queda foi de 2,4% (1,6 centavo por litro), com média a R$ 0,6538/litro. Fonte: Boletim do Leite/CEPEA/Esalq/USP,adaptado pela Equipe Milknet 05/01/2011

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here