CPT - Centro de Produções Técnicas

Conforme o Índice de Captação de Leite do Cepea (ICAP-L), o volume de leite captado por laticínios (incluindo cooperativas) em seis estados (75% da produção formal) em julho foi 3,92% maior que o captado em junho. Essa variação ocorreu especialmente pelo crescimento da produção no Rio Grande do Sul e no Paraná. Em Minas Gerais, principal estado produtor, observou-se estabilidade no volume captado, enquanto que em São Paulo, Goiás e na Bahia, a produção diminuiu devido à estiagem prolongada. Nos sete primeiros meses de 2006, portanto, a produção nacional de leite registrou um acréscimo de 2,79% em relação ao mesmo período de 2005. Caso o comportamento da produção nacional daqui por diante se mantenha igual ao de 2005 – e portanto o aumento seria de 2,79%, segundo o ICAP-L/Cepea -, o Brasil teria a terceira maior taxa de crescimento dentre os 10 maiores produtores mundial de leite, ficando atrás somente da China, Argentina, segundo estimativas do FAPRI (Instituto de Pesquisa de Políticas para Alimentação e Agricultura – Food and Agricultural Policy Research Institute, da Universidade Estadual de Iowa, nos EUA). De acordo com esta instituição, a oferta de leite na China neste ano deve crescer 16,49% em relação ao volume de 2005 e a da Argentina, 4,53%. Para o Brasil, a Fapri prevê aumento de 2,7%. Com o aumento da captação em determinadas regiões e queda em outras, a utilização média das indústrias – considerando-se seis estados, que representam cerca de 75% da produção nacional formal – ficou praticamente estável na casa de 70% da capacidade máxima. Esse percentual é inferior ao observado em julho de 2005, quando 82,6% da capacidade industrial dos laticínios estava sendo utilizada. Pesquisadores do Cepea calculam também a disponibilidade interna de leite formal para os brasileiros. O resultado é um aumento de 1,71% de junho para julho, com 6,84 equivalentes-litros de leite formal por pessoa neste último mês – considerando a população em 186,6 milhões de habitantes. Entretanto, se a comparação for feita com a oferta de julho do ano passado, a disponibilidade de leite formal para cada cidadão brasileiro reduziu 5,33%. Fonte: Cepea – Boletim do Leite

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here