CPT - Centro de Produções Técnicas

Os melhores queijos minas artesanal estarão presentes nesta sexta-feira no 8º Concurso Estadual do Queijo Minas Artesanal, em Uberaba, no Triângulo Mineiro. O evento é realizado pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG), em parceria com a Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e a Associação Brasileira dos Criadores de Girolando. O concurso integra a programação da Megaleite 2015. Todos os produtores participantes recebem assistência técnica da Emater-MG, são cadastrados junto ao IMA e selecionados nas etapas regionais do concurso. Os queijos serão avaliados por uma comissão julgadora, formada por profissionais experientes, estudiosos da produção queijeira e por profissionais dos serviços de inspeção. Também participam outros técnicos, pesquisadores, professores universitários e profissionais da área de gastronomia. "São avaliados diversos fatores para definir os vencedores. Os queijos são servidos para os jurados, primeiramente, à degustação em pequenos cortes, fazendo com que iniciem o julgamento pelo paladar e olfato, também podendo ser observado sua consistência e textura, enquanto fracionado. Depois, vão para a mesa principal para apreciação dos quesitos de formato, acabamento e cor", explica a coordenadora Técnica Estadual de Agroindústria da Emater-MG, Marinalva Soares. Os julgadores avaliam os queijos à cega, ou seja, não há identificação por região ou produtor, apenas um código de conhecimento da comissão organizadora. Características – O queijo minas mantém as características de produção artesanal, a partir de mão de obra familiar, com produção em baixa escala e utilização de leite cru (não é permitido leite pasteurizado). Além de valorizar a identidade sociocultural do Estado, a atividade é a principal fonte de renda para cerca de 30 mil pequenos produtores, em aproximadamente 600 municípios mineiros. "O queijo minas artesanal é apreciado graças ao conhecimento passado entre gerações e às suas características peculiares. O modo artesanal da fabricação foi, inclusive, registrado como patrimônio cultural imaterial brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional", destacou Marinalva Soares.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here