CPT - Centro de Produções Técnicas

Mais de 15 milhões de litros de leite deixaram de ser coletados pela indústria láctea durante o bloqueio das estradas em meio aos protestos dos caminhoneiros. As manifestações dos motoristas que duraram dez dias fecharam rodovias estaduais e federais no Rio Grande do Sul. Por causa das interrupções, o produto não foi vendido porque os caminhões não chegavam a tempo para buscar o leite nas propriedades rurais e levá-lo à indústria. O levantamento, ainda parcial, foi elaborado pelo Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do estado (Sindilat) junto a empresas do setor e divulgado nesta quarta-feira (4). O presidente da entidade, Alexandre Guerra, estima um prazo em torno de dez dias para que o setor normalize as suas operações, se permanecer um quadro de normalidade nas estradas. Segundo o dirigente, os bloqueios impossibilitaram a coleta de leite nas propriedades dos produtores e postos de resfriamento. O Sindilat explica que os caminhões não conseguiam coletar o volume regular e, quando isso foi possível, encontravam dificuldade de chegar à indústria. De acordo com o Sindilat, a média diária de industrialização no estado, segundo maior produtor do país, é de 13 milhões de litros de leite, envolvendo cerca de 120 mil famílias de produtores em quase todos os municípios gaúchos. Em meio aos protestos, na última sexta-feira (27), produtores de leite e caminhoneiros aproveitaram a visita da presidente Dilma Rousseff à Região Sul para protestar com faixas, pneus e outros objetos. Eles bloquearam a BR-471, que liga Rio Grande a Santa Vitória do Palmar, onde a presidente cumpriu agenda oficial, e derramaram pela pista litros do produto. Depois de uma semana intensa, após quase 10 dias de protesto dos caminhoneiros, as rodovias do estado amanheceram sem bloqueios nesta quarta-feira (4). Em todo o país, os motoristas fecharam as estradas federais e estaduais do país como forma de protesto contra o aumento do preço do óleo diesel, as más condições da pista e o alto preço dos transportes de carga.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here