CPT - Centro de Produções Técnicas

A cadeia produtiva do leite de Mato Grosso tem encontro marcado, nos dias 25 e 26 de setembro, em Cuiabá. Nesses dias, o Sebrae MT vai realizar o II Encontro da Cadeia do Leite no Centro de Eventos do Pantanal com o objetivo de debater o desenvolvimento e fortalecimento segmento, que possui grande potencial de crescimento no estado. Cerca de 500 participantes são aguardados, entre produtores rurais, técnicos, representantes de indústrias e laticínios, fornecedores de máquinas, equipamentos e insumos, pesquisadores e acadêmicos de instituições de ensino superior e universitários. A programação do evento é constituída por palestras e debates, com participação de palestrantes convidados, no primeiro dia (8h às 18h); e no segundo, será realizado Dia de Campo na Fazenda Experimental da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com acompanhamento de pesquisadores e professores (8h às 17h). O preço do ingresso para o II Encontro da Cadeia Produtiva do Leite é de R$ 150/pessoa (para os dois dias). Mais informações: 0800 570 0800. “O diferencial da segunda edição deste encontro é a parceria firmada com a Universidade Federal de Mato Grosso. No Dia de Campo, professores, pesquisadores e alunos estarão diretamente envolvidos e vão apresentar resultados de estudos em andamento, que podem ser aliados dos produtores de leite”, afirma Aureliano Pinheiro, gestor do Programa Balde Cheio do Sebrae MT. A parceria com a UFMT vai proporcionar aos alunos dos cursos de Zootecnia e Veterinária a percepção do potencial do segmento e as oportunidades para atuação profissional junto às propriedades rurais leiteiras, segundo ele. “ O pequeno produtor, especialmente, precisa de assistência técnica permanente”, ressalta o gestor. Um pequeno produtor de leite que salta de 100 para 500 litros/dia precisa ser eficiente para continuar oferecendo volume, padrão e frequência para a indústria. Ele só consegue esta qualidade se passar a ver a atividade como negócio, aprimorando a gestão da produção de leite e contando com apoio técnico. O grande gargalo do segmento em MT é a assistência técnica e Aureliano acredita que a parceria com a UFMT poderá ser uma solução para os pequenos produtores. Há cinco anos, o Sebrae MT desenvolve o Programa Balde Cheio que atende atualmente cerca de 500 produtores de leite no estado, além de capacitar técnicos das prefeituras parceiras para assisti-los. Eficiência e produtividade são as palavras-chave do programa, que pode tornar a produção de leite rentável e lucrativa. A metodologia deste programa foi desenvolvida pela Embrapa Pecuária Sudeste de São Carlos (SP) é voltada aos pequenos produtores rurais e tem como objetivo desenvolver e profissionalizar a atividade, uma ótima alternativa para o desenvolvimento local e regional. O mito da produção de leite apenas voltada à subsistência já está sendo substituída pelas oportunidades reais que a produção de leite significa para a agricultura familiar e produtores rurais de pequeno porte em diversas regiões e microrregiões do país, principalmente como fornecedores da indústria e laticínios. <b>Potencial</b> A produção de leite é um dos segmentos promissores do agronegócio brasileiro e mato-grossense, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Atualmente o estado produz, em média, 2 milhões litros/dia, ocupando o oitavo lugar no ranking nacional. Há cerca de 60 mil produtores de leite no estado. O leite é a atividade principal para 30% dos produtores rurais de MT, conforme dados do MAPA. Devido às condições climáticas favoráveis e de insumos, o estado mato-grossense deverá subir rapidamente no ranking nacional, nos próximos anos. O potencial de crescimento do segmento é de 5% ao ano, de acordo com previsão do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (IMEA). <b>Programação</b> O II Encontro da Cadeia Produtiva do Leite vai proporcionar visão de futuro do segmento, do fortalecimento da indústria e das oportunidades para o produtor como atividade viável e rentável. Durante o evento, ele conhecerá máquinas, equipamentos, insumos e tecnologias, que geram a profissionalização da atividade. Os palestrantes convidados para o primeiro dia do evento serão: Walter Bertini Galan da Milkpoint, que abordará o tema “Cenário e perspectivas do leite”; Marcelo Resende sobre “Produção de leite de forma sustentável”; Mário Blac a respeito do tema “ A experiência da Cadeia Produtiva do Leite em Quebec (Canadá)”; Guilherme Marquez falará sobre Genética; Fernando Bueno sobre o Programa Balde Cheio; e Nivaldo Michetti abordará o tema “Mudando a vida produzindo leite”. Alguns produtores de leite e técnicos também vão apresentar seus relatos. No segundo dia, o Dia de Campo será a oportunidade para conhecer as novidades e descobertas recentes dos pesquisadores da UFMT, que podem significar aumento da produtividade, desempenho e rentabilidade.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here