CPT - Centro de Produções Técnicas

O ano termina com aumento na produção de leite em praticamente todas as bacias do Estado. À primeira vista, parece contraditório, pois o sertão cearense enfrenta três anos seguidos de estiagem. A seca, entretanto, favoreceu o setor. Os produtores investiram em tecnologia, implantaram sistemas de irrigação e adquiriram bovinos de alta qualidade genética. A preocupação é com a redução na compra do produto por laticínios que reafirmam para os criadores que está sobrando leite no mercado regional. Mais uma vez, os pequenos devem ser os primeiros atingidos com a medida. Dessa forma, o ano termina com duas realidades. Uma boa e outra ruim. Houve aumento de produção na bacia leiteira e a perspectiva é de redução na compra do produto. Os financiamentos bancários, por meio de recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e do Fundo Constitucional de Desenvolvimento do Nordeste (FNE), para custeio e investimentos, viabilizaram a aquisição de gado de raça e a implantação de sistemas de irrigação, de pastejo rotacionado e de cultivo de milho, palma forrageira e capim. Os criadores passaram a fazer estoques de alimento para o período de estiagem. O setor da agricultura familiar foi um dos mais beneficiados. Resultado: aumentou a produção e a produtividade. Com menor quantidade de matrizes, passou-se a produzir mais. "Os três anos seguidos de seca só favoreceram a bacia leiteira", disse o diretor da Unidade de Pecuária de Iguatu, Mairton Palácio. A unidade reúne 27 produtores e fornece 23 mil litros de leite/dia. Após de três anos de seca, no Ceará, os agricultores finalmente perceberam que é preciso fazer reserva alimentar para o gado. "O aprendizado tem sido mediante dificuldades e prejuízos", observou o sócio-diretor da empresa Leite & Negócios Consultoria, Raimundo Reis: "A formação de silos e o plantio de culturas forrageiras são estratégias fundamentais no Semiárido". Reis observa que, nos últimos anos, mudanças vêm ocorrendo, mas ainda há muito que avançar. "Muitos criadores estavam acomodados, achando que a chuva que faltou no ano chegaria no período seguinte", frisou. "E esse comportamento precisa mudar". O governo do Estado e outras instituições vêm investindo na divulgação do plantio de palma forrageira como estratégia alimentar para o período de estiagem. O anúncio de que os laticínios iriam cortar 15 mil litros de leite, por dia, na bacia de Iguatu, a partir deste mês de novembro, foi debatido com o secretário adjunto da Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA), Antonio Amorim, em recente reunião realizada no auditório do Sebrae, nesta cidade. De início, o pequeno produtor (o agricultor familiar), seria o mais prejudicado. "Estamos preocupados e vamos acompanhar essa questão", disse Amorim. O Programa Fome Zero, que adquire leite da agricultura familiar persiste no Ceará, mas enfrenta dificuldades, com a decisão de saída de laticínios, que não concordam com a sistemática do projeto. "Sabemos que é preciso melhorar, aperfeiçoar alguns aspectos, mas a prioridade é adquirir leite da agricultura familiar". De acordo com Mairton Palácio, os laticínios estão cortando compra de leite dos produtores que moram em áreas mais distantes e isoladas e produzem reduzida quantidade. "Pelo que sabemos o corte é seletivo e atinge aqueles que não têm regularidade no fornecimento", observou. A Agência de Desenvolvimento do Ceará (Adece) deverá instalar, em parceria com o setor privado, uma indústria de leite em pó no Interior. O projeto foi debatido em recente reunião da Câmara Setorial do Leite. O governo do Estado está elaborando o projeto industrial e deverá definir o local onde será instalado. Três municípios reivindicam a implantação da fábrica: Iguatu, Morada Nova e Quixeramobim. A fábrica vai absorver parte da produção de leite. A ideia inicial é a formação de uma empresa de economia mista em que a Adece será sócia dos empresários no empreendimento, que absorverá investimento de R$ 20 milhões. A fábrica terá duas fases: na primeira, produzirá 200 mil litros de leite em pó por dia; na segunda, 400 mil. O prefeito de Iguatu, Aderilo Alcântara, disse que a bacia leiteira da região Centro-Sul vem crescendo, mas só dispõe de um laticínio, enquanto outras já contam com mais de três unidades beneficiadoras. "Já anunciamos que a Prefeitura faz doação de terreno e assegura infraestrutura básica", frisou. O preço do litro de leite varia entre R$ 0,85 e R$ 1,00, dependendo da fidelidade e quantidade do produto fornecido com regularidade para o laticínio. Os produtores não reclamam do preço, mas do aumento do custo de produção a partir da elevação de preço do milho e do farelo de soja em torno de 20% nos últimos 30 dias. Sobre a redução na compra de leite de pequenos produtores em áreas mais distantes dos centros de recebimento, os laticínios, nesta cidade, não deram esclarecimentos.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here