Depois de uma queda de 80% na produção de laticínios no Paraná, os negócios começaram a retomar a normalidade. O período de incerteza no setor teve início junto com a pandemia do novo coronavírus. A produção de queijos movimenta mais de R$ 2 bilhões de reais por ano no estado, de acordo com o último levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), feito em 2018. 
 
Sudoeste
 
Uma das maiores bacias leiteiras do estado fica no sudoeste. O Caminhos do Campo deste domingo (2) acompanhou a produção de queijo colonial – que é o forte da região. Os laticínios do sudoeste paranaense enviam parte da produção para hotéis e restaurantes de todo estado e ainda de São Paulo e do Rio de Janeiro.
 
Com a retomada das atividades em algumas cidades desses estados e com as adaptações que donos de estabelecimentos fizeram para retomar o atendimento dos clientes por delivery, as vendas foram reaquecidas. Representantes do setor também disseram que a valorização do dólar reduziu a importação de queijos, abrindo mais espaço para os produtores nacionais.
 
A família Bach começou a investir na atividade com as sobras do leite que era produzido na propriedade. Hoje, 20 anos depois, a fabricação de queijos é a principal atividade. Oitocentos litros de leite são transformados em queijos todos os dias.
 
Oeste
 
Na região oeste, há uma iniciativa que tem ajudado produtores rurais da região a fabricar queijos finos. Esses queijos precisam de mais cuidados, desde a coleta e seleção do leite até o tempo de maturação dos produtos.
 
ID 8739183
 
Nos laboratórios do Biopark, um centro de inovação e pesquisa, em Toledo, são desenvolvidos vários projetos. Um deles é totalmente voltado para a produção de queijos finos. Tenta-se aproximar o sabor e a textura dos queijos fabricados na região aos de queijos famosos no mundo todo, como os franceses brie e morbier e o holandês gouda.
 
Nos experimentos, alguns sofreram adaptações. O morbier, por exemplo, recebe na França uma linha de carvão, No Paraná, usa-se o café. Em um ano, o projeto já foi implantado em cinco municípios da região. Técnicos visitam as propriedades para avaliar se têm estrutura para absorver a produção e oferecem todo o suporte técnico, sem qualquer custo para o produtor. Um dos objetivos do projeto é melhorar a renda dos produtores, já que o queijo acaba rendendo um lucro maior do que a venda do leite cru.
Norte
No norte do estado, o Caminhos da Campo conheceu a propriedade de um agricultor que teve um parmesão classificado – em um concurso internacional – entre os 20 melhores do mundo.
ID 8739188
Há quase 30 anos produzindo leite, o casal Marcia e Valdeir Martins só entrou no concurso depois de muita insistência dos amigos. O concurso foi em Minas Gerais e reuniu mais de mil queijos, de vários tipos, de sete países diferentes. Segundo os criadores do queijo campeão, o produto deles tem um sabor picante, mas levemente adocicado no final. Para fazer um queijo de cinco quilos, são usados 70 litros de leite.
Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here