CPT - Centro de Produções Técnicas

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) divulgou nesta quarta (21), uma nota afirmando que vai discutir a regulamentação da obrigatoriedade de declaração de alimentos alergênicos nos rótulos dos produtos. O objetivo é apresentar informações claras para o consumidor se aquele alimento oferece risco de reação alérgica. Segundo a Anvisa, “em nível internacional, tal abordagem regulatória é amplamente utilizada e vem demonstrando resultados positivos”. Entre os alimentos reconhecidos por causarem reações estão: leite, ovos, amendoim, peixes, crustáceos, soja, nozes e castanhas. Apesar de serem inofensivos para algumas pessoas, há quem apresente sensibilidade ao consumi-los mesmo em pequenas quantidades – o que pode afetar os sistemas cutâneo, digestivo, respiratório ou cardiovascular. O quadro mais grave é anafilaxia, que pode levar à morte. Segundo a Agência, a medida atende demandas da sociedade recebidas pelo órgão. Em breve, será aberta Consulta Pública sobre a possível regulamentação. <b>#poenorotulo</b> Há cerca de três meses, um grupo de famílias de crianças com alergia alimentar criou a campanha #poenorotulo como forma de pressionar as autoridades para a importância de informações claras nas embalagens. O movimento ganhou força e adesão de celebridades, como Mariana Belém, Reynaldo Gianecchini, Mateus Solano, entre outros, e a página do Facebook já conta com mais de 42 mil seguidores. Em março deste ano, CRESCER conversou a advogada Maria Cecília Cury, uma das fundadoras da campanha e mãe de uma criança com alergia à proteína do leite: "Nosso objetivo é que os produtos passem a indicar a presença dos alérgenos de forma destacada", disse à época. <b>Diagnóstico difícil</b> A alergia alimentar está relacionada ao anticorpo imunoglobulina E (IgE) produzido pelo nosso organismo que provoca uma reação específica a algum alimento. A pediatra e alergista da Unifesp Renata Rodrigues Cocco explica que existem dois tipos de alergia alimentar. Um deles tem a forte atuação do componente IgE, produzido pelo organismo. Nesse caso, a reação alérgica se manifesta de segundos a até duas horas após a ingestão do alimento causador da alergia. “Mas há um segundo tipo de alergia que pode se manifestar mais tardiamente, horas e até semanas depois do contato com o alimento causador. Os sintomas podem vir em forma de diarreia, vômito e até anemia ou inflamação gastrointestinal”, esclarece a especialista. Este segundo tipo, no entanto, é mais difícil de ser diagnosticado porque pode ser confundido com outras doenças cujos sintomas são parecidos. “Não existem exames laboratoriais que comprovam exatamente qual alimento foi o causador do mal-estar. Ao menor sinal dos sintomas, o ideal é procurar um médico especializado”, aconselha Renata.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here