CPT - Centro de Produções Técnicas

Os trabalhos que deram início à 3ª etapa da Fiscalização Preventiva Integrada do Rio São Francisco – FPI do São Francisco -, no início da manhã desta segunda-feira (18), resultaram em apreensões de dezenas de pássaros silvestres e de produtos de origem animal, na interdição de um estabelecimento comercial e na lavratura de vários autos de infração. No município de Monteirópolis, no Sertão de Alagoas, a fábrica Laticínio Sertão foi punida com quatro autos de infração. Pela Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas – Adeal -, a empresa foi punida de forma dupla. De acordo com os fiscais agropecuários presentes à operação, o comércio estava funcionando sem o devido registro no órgão sanitário competente e utilizava um selo falso de inspeção. Ainda segundo a Adeal, a chancela verdadeira garante a inocuidade do produto, já que a sua existência assegura que a empresa, necesseriamente, foi submetida a uma inspeção dos órgãos sanitários. <b>Ausência de médico veterinário e produtos recolhidos</b> O Conselho Regional de Medicina Veterinária aplicou auto de infração contra o laticínio. “O proprietário Carlos Alberto Bezerra de Barros foi autuado por desobedecer a lei federal n° 5.517/68, que diz que é grave infração produzir produtos de origem animal sem o registro nos órgãos sanitários. Além disso, a fábrica funciona sem um médico veterinário”, explicou Mariana Macedo , médica veterinária. “Também é muito importante alertar a população sobre os riscos à saúde pública, haja vista que queijos feitos assim, sem qualquer procedência, podem transmitir várias doenças, já que não se pode garantir a origem sadia desses animais. Dentre as enfermidades mais graves, estão a tuberculose e a brucelose, que podem até matar”, destacou Mariana Macedo. Todo o material que estava no interior do laticínio foi apreendido. Foram 425 quilos de queijo tipo muçarela, 52 quilos de queijo tipo coalho e 320 quilos de massa para preparo de diferentes queijos. Tudo será incinerado na Mafrips, em Maceió. <b>Inexistência de licença ambiental e depoimento à polícia</b> Pelo Ima, a empresa foi autuada por não possuir licença ambiental para o seu funcionamento, o que configura crime contra o meio ambiente. Já o Batalhão de Polícia Ambiental conduziu Carlos Alberto à delegacia de Batalha. O empresário deverá ser autuado em flagrante pelos crimes contra a saúde pública, ambiental e de falsificação de selo oficial. Este último, tem previsão legal no artigo 296 do Código Penal.

Banner CHR Hansen 2020

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here